HomeNOTÍCIASMercadoA voz da consciência e o bom-senso

A voz da consciência e o bom-senso

Estamos próximos de alcançar quatro meses de quarentena. Nesse período, não faltaram empenho nem disposição para, acima de tudo, preservar a vida. Pouco a pouco, desenharam-se os protocolos e as recomendações para essa difícil travessia, entre o velho e o ainda muito incipiente novo normal.

Retomada segura” é o título da matéria de destaque nesta edição da ADVB News, que traz informações sobre o lançamento da nova fase da campanha “SP Pra Todos”, iniciada no dia 20 de julho de 2020. Iniciativa que resulta da parceria entre São Paulo Convention e Visitors Bureau – Visite São Paulo; Associação Brasileira das Empresas Aéreas – Abear e Governo do Estado, com impacto positivo para o setor de serviços e o comércio em geral.  

A sociedade como um todo e os nossos associados, em especial, fizemos e estamos fazendo o que é possível, na esperança de aprender com a crise. E, também, construir amanhãs menos vulneráveis e mais propícios ao desenvolvimento efetivamente sustentável.

Hoje, toda nossa atenção se volta para a retomada das atividades não essenciais –escritórios, bares, restaurantes, shopping centers, eventos, meios de hospedagem e comércio e inúmeros empreendimentos que compõem as cadeias produtivas integradas ao desempenho do setor terciário da economia.

Naturalmente, tudo dentro das normas e dos protocolos homologados pelo Centro da Covid-19 paulista, no âmbito estadual, denominado Plano São Paulo. Esse será, de fato, um teste decisivo, para se compatibilizar segurança sanitária com a recuperação da economia.

Vácuo de liderança

Ocorre-me compartilhar com os leitores da ADVB News um sentimento que perpassa toda a crise, desde o início. Faltou (e falta) ao Brasil uma liderança altiva e serena, capaz de unir toda a sociedade em torno do propósito único de combater, com inteligência e coragem, o inimigo comum – a Covid-19 e seus efeitos. Em vez disso, sobraram ações e atitudes divisionistas, que só contribuíram para confundir e piorar ainda mais as coisas.

Lembrei-me do papel histórico de Sir Winston Churchill, 1º ministro inglês, na superação dos horrores produzidos pela Segunda Guerra Mundial. Churchill encarnou o estadista, a voz que acalentou o seu povo e conduziu a nação na retomada do próprio destino. Cabe salientar que, naquela época, a comunicação e o grau de informação eram muito precários, agravados pela guerra, o que destacava ainda mais as manifestação do notório líder inglês. Atualmente, todo cidadão tem meios de se manter informado com abundância de conteúdos e muita rapidez.

A propósito, nessa edição preparamos também a matéria intitulada “ADVB/FIPE compara trimestres e mede estrago”, que traduz em números as discrepâncias, em termos de confiança e expectativa, de um trimestre para outro. O leitor pode acessar a íntegra da sondagem, feita a cada três meses, desde 2018, que constitui um rico registro histórico, finalizando com o impacto da Covid-19 na vida das pessoas e das empresas. E, ainda, participar da amostra como respondente.

Outra contribuição para orientar o leitor, matéria sob o título “USP protagoniza enfrentamento da Covid-19” mostra pesquisa realizada pelo Laboratório de Saúde Mental e Psicologia Clínica da instituição. Sondagem mede e qualifica o impacto da Covid-19 para adolescentes, homens mulheres, em âmbito nacional. Mister acrescentar que a USP, por meio do Grupo Apoiar, coordenado pela Professora Doutora Leila Tardivo, oferece um pronto-socorro de atendimento psicológico, de modo a mitigar os efeitos da depressão e do medo. São serviços gratuitos que estão ao seu alcance.

Por fim, objetivando oferecer modesta contribuição a esse período de retomada, a matéria “Covid-19: como preservar a saúde de pessoas físicas e jurídicas?” focaliza o tema e apresenta alternativas no mercado para empresas e instituições adquirirem lotes de testes e terem mais clareza sobre a saúde dos colaboradores.

Ao completar minha análise, reitero que as informações disponíveis a qualquer cidadão minimamente conectado, permitem que cada um de nós tenhamos essa espécie de voz da consciência. No entanto, alerto que é preciso tomar muito cuidado com as notícias falsas, precipitadas e, muitas vezes, mal intencionadas.

A vulnerabilidade acaba levando as pessoas a acreditarem, por exemplo, que há um remédio mágico, ou mesmo que a pandemia não é tão grave assim. Os números são reais e não deixam dúvida. O país se aproxima de 80 mil mortes causadas pelo coronavírus e, por enquanto, não há vacina ou medicamentos que, comprovadamente, enfrentem a Covid-19 em definitivo.

Pondero, ao concluir esta reflexão, que não faz tanta falta assim a presença de um Winston Churchill contemporâneo. Cabe-nos ouvir, com toda atenção, a própria voz da consciência. A voz do bom senso, sobre como agir, encerrar total ou parcialmente o home office, reativar os eventos presenciais ou híbridos, selecionar os ambientes e ter clareza sobre como frequentá-los, com todos os cuidados protocolares, sem os perigos da exposição desavisada.

A todos vocês, o convite para que desfrutem dos conteúdos aqui publicados, sob a coordenação de nosso editor Luiz Henrique Miranda. Leitura para deleitar, mas também para acrescentar referências balizadas sobre esse evento insólito e de gravidade extrema. Bom proveito!

Aristide de La Plata Cury
Presidente da ADVB

RELATED ARTICLES
spot_img
spot_img
spot_img